universidade da integração latino americana – unila – seminário na ufpr – 24/06/09

seminario_unila_foto_gilsoncamargo24_06_09curitiba1
O seminário contou com as presenças de Angelo Vanhoni,
Jorge Samek, Zaki Akel Sobrinho, Dr. Rosinha e Helgio Tavares.

O projeto de número 2878/2008 que cria a Unila, que terá sede em Foz do Iguaçu/PR, tramita hoje na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados. Por se tratar de proposição ordinária, as comissões têm poder terminativo, sendo soberanas as suas decisões. O projeto já foi aprovado pelas Comissões de Educação e Cultura, Trabalho e Finanças.

Provisoriamente, o campus será instalado no Parque Tecnológico de Itaipu até que as instalações da Unila, em terreno cedido pela usina binacional fiquem prontas. A previsão é de que a nova universidade esteja funcionando plenamente em 2011.

A Unila iniciará suas atividades entre agosto de 2009 e fevereiro de 2010, com a instalação de 36 cursos (25 de graduação e 11 de pós-graduação), 09 centros de estudos e um centro de formação de professores.

vanhoni_seminario_unila_foto_gilsoncamargo24_06_09curitiba5
Vanhoni foi o relator do projeto da Unila na Comissão de Educação e Cultura da Câmara Federal.

“Falar da Unila e da criação desta universidade nos dá muita satisfação. Porque se há algo de realmente importante que um governo possa fazer na história de um povo é saber construir estas duas questões fundamentais: o conhecimento e a liberdade, especialmente num país como o Brasil, que tem uma dívida social enorme na área da educação. São 45 milhões de jovens em idade escolar universitária buscando uma formação que lhes dê a oportunidade de desenvolver conhecimentos nas áreas específicas escolhidas e os capacite para o mercado de trabalho, sendo que perto de 40 milhões de brasileiros ficam completamente de fora, sem acesso ao ensino superior. Então, vir a um debate como este sobre a Unila é muito significativo, levando em conta a dimensão que o tema representa para nós brasileiros e para nós latinos americanos.

A idéia da construção de uma universidade com o perfil que está se desenhando é uma determinação própria do presidente Lula. As sugestões inicialmente eram distintas, mas ele corretamente preferiu que tivessemos um centro universitário num local que possibilitasse a convivência entre jovens da América Latina e jovens brasileiros, como um símbolo para o continente, indicando que a verdadeira integração entre os povos se dá através da cultura, apontando para uma integração de valores e consolidando a perspectiva de construirmos uma sociedade baseada na liberdade, na democracia e no entrelaçamento entre os povos.

A prioridade que o governo federal está dando para a educação é algo que nos deixa muito orgulhosos. Só de invesimentos do Fundeb serão 4 bilhões e meio de Reais. Há 6 anos atrás foram apenas 300 milhões. Saltamos de 300 milhões para 4 bilhões e meio. Estamos incluindo no orçamento recursos para ajudar o Fundeb e investindo na educação infantil, ensino fundamental e ensino básico. Só neste mandato último, foram construidas 154 escolas técnicas no Brasil, entre elas, 9 do Instituto Técnico Federal aqui do Paraná, sendo a escola sede a Escola Técnica centenária da Universidade Federal do Paraná. São institutos técnicos federais para formar jovens com 17 anos e também formar professores na área de ciências, que é uma exigência nacional. Faltam mais de 100 mil professores no ensino de química, física e matemática em nossas escolas. As universidades particulares não oferecem esses cursos, só as públicas é que os têm oferecido. O sistema de ensino médio brasileiro remunera mal os professores. Não é atrativo para aqueles que pensam a química, a física e a matemática dar aulas. Se nós queremos ter um Brasil com ciência e tecnologia,  temos que investir na formação dos nossos jovens.

Houve um seminário agora em São paulo, com os ministros Fernando Haddad e Paulo Bernardo, sobre formação e qualidade de educação no Brasil. Os indíces que alcancamos são muito ruins, mas o governo tem um projeto que é o Plano de Desenvolvimento Educacional, o PDE. As mil escolas no Brasil que tem média abaixo de 3 estão tendo tratamento especial por uma equipe de especialistas das universidades federais, para fazer com que os jovens possam ter a garantia de aprender a escrever direito e ter acesso a uma formação básica em matemática. Então o governo, além do investimento no ensino superior, além de apostar no conhecimento e na cultura como valor de integração, que é a proposta que embasa a Unila, está cuidando da qualidade da educação em todas as etapas. É fácil mudar? Não se muda assim. São 2 milhões e 300 mil alunos no ensino médio. Para você colocar um novo professor no ensino médio, com mais capacidade, agregando mais valor e conhecimento, é necessário fazer com que as universidades que já existem e as 14 que estão sendo construidas tenham aporte financeiro e sejam estimuladas, para que os professores se sintam motivados e possam propiciar um ensino  de qualidade para a juventude.

A Unila, além de ajudar a diminuir esta grande disparidade social que é a falta de acesso ao ensino superior aos jovens do Brasil, está voltada para um propósito ainda maior: a integração dos povos latino americanos. Para nós foi uma satisfação muito grande aprovar o projeto no Comissão de Educação e Cultura. A Unila é uma nova instituição que o Brasil está criando para diminuir os problemas sociais do continente e integrar os povos atraves do compartilhamento do saber.

Então professor Helgio, reitor Zaki, eu vim aqui com muita satisfação e é um motivo de orgulho como deputado federal ter podido participar ativamente na Comissão de Educação e Cultura da Câmara Federal, ajudando a tramitar este projeto, fazendo com que fosse aprovado, eu e o conjunto dos deputados daquela Comissão. Neste segundo semestre ainda a Itaipu já deve começar as obras de construção do campus universitário, naquele belo terreno que doou para a construção da Unila. Imaginem vocês daqui a 5 ou 6 anos, ir à Foz do Iguaçu e frequentar o campus universitário da Unila, com 4 mil jovens de língua espanhola, ouvindo os debates nas cantinas, dentro da universidade, falando sobre Borges e Cortázar, a política da Argentina, a politica do Uruguai, do Paraguai,  o cinema, a literatura, a poesia, a pintura, se entrelaçando numa região de fronteira tão importante. Então nós do Brasil estamos de parabeńs. Samek e Zaki, por favor, transmitam ao ministro Fernando Haddad e ao presidente Lula os nossos parabéns pela proposta inovadora que estão fazendo na construção desta universidade. Muito obrigado.”
Angelo Vanhoni

samek_foto_gilsoncamargo_seminario_unila_24_06_09curitiba2
Jorge Samek – diretor geral da Itaipu.

“Em primeiro lugar, quero usar esse tempo em nome da Itaipu, para dizer porque ela está inserida no processo de implantação da UNILA, e falar do sentimento mais nobre do ser humano que é o sentimento de gratidão. Nós da Itaipu somos eternamente gratos a essa universidade. A UFPR construiu um modelo reduzido aqui, do outro lado da rodovia BR116, no Centro Politécnico, que funcionou durante todo o processo de implantação da usina hidrelétrica de Itaipu. Se o Brasil hoje cresceu, o principal aspecto pelo qual é reconhecido mundialmente é a experiência desenvolvida em sua produção de energia. 95 % de toda energia elétrica consumida no Brasil tem a sua origem em hidro-eletricidade. No mundo inteiro isso é completamente diferente, tem país que não chega a 10%, e grande parte das fontes desse conhecimento foi gerada aqui, nesta universidade. Quero fazer uma saudação a nossa centenária Universidade Federal do Paraná, por sua contribuição para o desenvolvimento do país, e não podia ser diferente. Estamos dando agora estes mesmo passos com a formação da UNILA, com vistas à integração da América Latina.

Muitos estados do Brasil quiseram ser sede desta nova Universidade. O presidente Lula acertadamente indicou Foz do Iguaçu como sendo o local ideal. Houve a solicitação para que se escolhesse uma área na cidade que pudesse fazer jus a tal empreendimento e selecionamos os 40 melhores hectares de área da Itaipu, na entrada da Usina, que será a sede do campus universitário da Unila. O projeto arquitetônico ficou a cargo de Oscar Niemeyer e sua equipe.

projeto-niemeyer-lateral-campus1

A escolha do arquiteto, além da excelência profissional e de sua relevânciaa histórica indiscutível, agrega um importante incentivo ao turismo em Foz do Iguaçu. A cidade recebe em média um milhão e trezentos mil turistas por ano, que buscam visitar as Cataratas do Iguaçu e também a própria Itaipu. Nesse ano nós já recebemos 700 mil turistas. Todos sabem, que até pouco tempo atrás, o turista ia a Foz do Iguaçu e ficava um dia apenas, às vezes dois. Estamos fazendo um trabalho para modificar esta característica do turista que vem nos visitar. Nós queremos ampliar esta permanência para 3 ou 4 dias, pelo menos. O conjunto arquitetônico da Unila, somado  aos atrativos de Itaipu, ao Parque Nacional, as Cataratas do Iguaçu, a gastronomia da Argentina, ao setor de compras do Paraguai, a agricultura que realizamos na região, as etnias, que são 76 povoações das mais diferentes partes do mundo morando naquele pedaço, tudo isso em conjunto, se pudermos reunir atrativos que permitam a esse turista ficar um dia a mais em Foz do Iguaçu, numa conta aproximada, em dois anos a UNILA estaria paga.

Falando um pouco em financiamento e geração de riqueza. Aquele americano, aquele europeu, aquele argentino, que chega à Foz do Iguaçu, aquele chinês, aquele japonês, ficam todos maravilhados quando vêem as obras de Itaipu. Essa obra de engenharia brasileira, considerada uma das sete maravilhas da engenharia moderna. O turista se apercebe disso e diz “essa é a capacidade da engenharia brasileira, paraguaia, da engenharia da América Latina. Imaginem agora se agregarmos o valor de poder contemplar também uma obra exemplar da arquitetura de Niemeyer

São um milhão e trezentos mil turistas atualmente, mas isso vai triplicar. Foz do Iguaçu tem potencial para receber 10 milhões de turistas. Não vai demorar tanto tempo assim. E estes turistas vão  aquecer a economia local, não há duvida, num projeto que traz consigo também essa perspectiva.”
Jorge Samek – link para site Itaipu Binacional.

zakiakel_seminario_unila_foto_gilsoncamargo24_06_09curitiba2
Zaki Akel Sobrinho – reitor da UFPR.

“Hoje, neste seminário, estamos fazendo uma discussão que é mais do que bem-vinda. Uma discussão de um projeto estratégico que vai mobilizar o Estado do Paraná e que talvez não esteja muito bem compreendido. Como Reitor e participante deste projeto nós as vezes somos indagados: o que é a UNILA? Como vai funcionar? Qual é o modelo? Qual é a participação da UFPR neste processo? Há uma série de dúvidas e questionamentos sobre o seu funcionamento, justamente por ser uma proposta inovadora. Achamos por bem fazer esse seminário para esclarecer à sociedade sobre o  projeto. Precisamos de mais parceiros para que se consolide rapidamente. Quando assumi o cargo de Reitor, no dia 19 de dezembro, em Brasília, nos comprometemos em levar a Universidade à sociedade e fazer com que ela chegue com grande vitalidade aos cem anos, cada vez com mais pertinência social na área da graduação, na área da pesquisa e da pós-graduação, nas atividades de extensão e em nossa enorme capacidade de prestação de serviços à sociedade.

Tenho um grande orgulho de ser reitor da Universidade Federal do Paraná. Lembro dos tempos em que eu era um professor da casa apenas, começando a minha carreira, e vi um movimento lutando por mais verbas, mais recursos, lutando pela valorização da carreira docente, por melhores condições de trabalho, e hoje, como reitor, vejo estes anseios se realizando. Agora temos a tarefa de implantar o REUNI, que é o Programa de Reestruturação e Expansão da Universidade, e caminhamos nesta direção. Só este ano tivemos 27 % a mais de vagas no vestibular, estamos correndo com as cotas, com a contratação de professores, estamos precisando urgentemente de mais quadros administrativos para dar conta da quantidade enorme de trabalho que foi colocado em nossas mãos.

Temos agora o projeto da UNILA, uma proposta que todos poderão conhecer melhor hoje, e que está exigindo o empenho de nossa estrutura administrativa e cada vez mais trabalho e dedicação dos nossos servidores.  O recurso precisa chegar com velocidade e ser administrado com competência e precisão. Dentre poucos anos todos poderão observar o que estamos presenciando agora, o que este esforço representa para o Estado do Paraná, para a educação, saúde, tecnologia e cultura do nosso Estado.

Estamos num momento ímpar da história de nossa instituição, de uma expansão como nunca se viu. Vamos passar de algo como 40 mil estudantes, que tínhamos em 2008, considerando a Universidade Federal do Paraná e a Universidade Tecnológica do Paraná, para algo que deverá passar de 80 mil estudantes, em 2013, quando estivermos com todas as novas unidades em funcionamento.”
Zaki Akel Sobrinho – link para site UFPR.

dr_rosinha_foto_gilsoncamargo_seminario_unila_24_06_09curitiba
Dr. Rosinha – deputado federal, relator do projeto na Comissão de Constituição e Justiça.

“Nos últimos seis anos de mandato, eu comecei a trabalhar especificamente na integração do Mercosul, da América do Sul. E a UNILA vem contribuir muito neste debate, na sua construção, no seu objetivo, como depreende-se de seu próprio nome, que é a integração da América Latina.

Eu vou pegar um processo histórico conjuntural bastante recente. Foi assinado um Tratado de Integração, Cooperação e Desenvolvimento na América do Sul que remonta aos primeiros acordos entre Alfonsin e Sarney. Era um momento importante, porque era o final das ditaduras militares. Se lembrarmos a história e a origem da Itaipu, nós temos que dizer que um tratado como esse é de fundamental importância. E se lembrarmos que tínhamos cinco exércitos na região sul, na época da ditadura, e olhávamos aos países vizinhos como possíveis adversários numa disputa de integração.
Quando chegamos no final do século passado e início deste, estávamos vivendo um outro momento de conjuntura econômica e política que era muito semelhante na América toda. Entramos no século XXI sem nenhuma ditadura militar e com democracia, mas com a capacidade dos Estados totalmente falida, com grave crise financeira, econômica, e uma profunda crise social que cobrava mudanças conjunturais e estruturais nesses países.

Entramos neste século com os Estados dependentes econômico-financeiramente e dependentes tecnologicamente. As universidades foram destruídas nesse processo de ditadura e no processo do modelo neoliberal. Nenhuma universidade tinha capacidade de pesquisa, de ciência, de tecnologia, e com uma profunda dependência cultural, principalmente, dos Estados Unidos. No bojo dessa conjuntura, é que vão surgindo os processos de integração, onde entra a UNILA.

Hoje em dia estamos vivendo uma outra crise, uma crise mundial que não tem característica somente financeira, e temos que entendê-la, para poder pensar a universidade que queremos. A história é importante para desenhar a universidade que nós queremos. Nós não fazemos uma universidade, numa luz qualquer. Fazemos em cima de um processo real que se estuda. Essa última crise que vivemos é uma crise de modelo de desenvolvimento. Não podemos ter um modelo de desenvolvimento voltado ao consumismo, à destruição total ambiental. Se nós queremos dar à universidade um caráter novo, temos que ler corretamente o que está acontecendo no país e no continente. E uma universidade com o caráter da UNILA, além da compreensão histórica que temos que ter, devemos ter uma compreensão cultural. Que continente nós tivemos? Ou compreendemos a cultura e a história desse continente, ou não vamos conseguir dar à universidade o caráter que ela deve ter. Então é fundamental, no conhecimento da história, a superação de preconceitos. Não sei quantos de nós tivemos a oportunidade de viajar pelos continentes americanos e observar as diferenças culturais que existem. Se olharmos para o Nordeste brasileiro, o sul do Brasil, e a Bolívia aqui do lado e os Andes, são todos completamente distintos. Como vamos criar uma universidade pública, de caráter público, devemos compreender essa história, criar profissionais que respeitem essa história, e que façam a intervenção adequada para essa realidade”.
Florisvaldo Fier – link para site Dr. Rosinha.

seminario_unila_foto_gilsoncamargo24_06_09curitiba7
Helgio Trindade
, ex-reitor da UFRGS e coordenador da equipe de implantação da UNILA.

As primeiras atividades acadêmicas da Unila estão marcadas para o segundo semestre deste ano. No próximo dia 19 de agosto, será instituído o Conselho Consultivo do Instituto Mercosul de Estudos Avançados (Imea). O conselho será formado por especialistas brasileiros e estrangeiros de excelência em suas áreas de atuação. O Imea será um órgão da Unila dedicado à pesquisa e à pós-graduação que funcionará em rede com as demais universidades da região.

“Esse instituto será o nosso carro-chefe, e será criado pela UFPR em parceria com a Unila”, disse Hélgio. Na mesma data, será inaugurado o primeiro evento acadêmico da Unila: o Colóquio Internacional “Educação para a Integração Latino-Americana”. O evento reunirá , até 22 de agosto, especialistas da região, dos Estados Unidos e da Europa, para debater a educação superior e a integração latino-americana. Entre os meses de agosto e dezembro, estão previstas as inaugurações de pelo menos dez cátedras (grupos de pesquisa), em diferentes áreas do conhecimento.

Hélgio Trindade comentou ainda a intenção de exigir dos alunos formados pela Unila que cumpram, ao final de seus cursos, algum tipo de serviço civil obrigatório. “Grande parte dos alunos da Unila necessitarão de ajuda para se manter em Foz do Iguaçu, e a prestação de um serviço civil obrigatório seria uma espécie de retribuição ao investimento feito pela sociedade”. Na ocasião, o coordenador apresentou a lista preliminar dos primeiros cursos de graduação da Unila. São eles:

– Sociedade, Estado e Política na América Latina
– Relações Internacionais e Integração Regional
– Historia e Direitos Humanos na América Latina
– Desenvolvimento Rural e Segurança Alimentar
– Economia, Desenvolvimento e Integração
– Comunicação, Poder e Mídias Digitais
– Letras e Línguas Estrangeiras
– Ecologia e Biodiversidade
– Energias Renováveis
– Gestão Integrada dos Recursos Hídricos
– Engenharia de Macro-Infraestruturas
– Licenciaturas: Ciências da Natureza / Interculturalidade e Integração / Esporte, Meio Ambiente e Políticas Sociais
– Saúde Coletiva e Preventiva
link para blog Notícias Unila.

helgiorodrigueszakiakel_foto_gilsoncamargo_seminario_unila_24_06_09curitiba
Helgio Trindade e Zaki Akel, em entrevista na UFPR.

A Unila não irá oferecer cursos tradicionais, como Medicina, Direito e Engenharia clássica. “Queremos fazer cursos inovadores, com abordagem interdisciplinar”, explicou o presidente da comissão.Os cursos serão bilíngues. Metade dos alunos será de origem brasileira e a outra metade, dos demais países latino-americanos. A previsão é de que, no início de 2010, cerca de mil alunos estejam matriculados nos cursos de graduação da Unila.
Em cinco anos, o total de estudantes deve chegar a 10 mil. O de professores, a 500. Metade dos docentes também será formada por profissionais dos demais países da região.

A Unila irá usar o novo Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) para a seleção de seus alunos. No caso dos alunos de outros países, o Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), autarquia ligada ao Ministério da Educação, está preparando uma espécie de “Enem em espanhol”, para uso da Unila.

samekrosinhavanhoni_foto_gilsoncamargo_seminario_unila_24_06_09curitiba
Durante coletiva concedida à imprensa antes da abertura do seminario o deputado Dr. Rosinha (ao centro) informou sobre a tramitação do projeto no Congresso Nacional.

Relator do projeto na CCJ, Dr. Rosinha (PT-PR) revelou que irá rejeitar as três emendas apresentadas ao projeto na CCJ, todas de autoria do deputado Jutahy Magalhães (PSDB-BA). Uma das emendas prevê que os cargos de reitor e vice-reitor da Unila sejam ocupados por brasileiros ou naturalizados, o que já está previsto pela Constituição. As outras duas emendas tentam evitar o uso do espanhol, além do português, nas seleções de alunos e professores da Unila. “São propostas que inviabilizam a integração regional”.

O parlamentar informou também que pretende apresentar seu parecer já no início do próximo mês, e aprová-lo na comissão antes do recesso de julho, que começa no dia 16. “No Senado, que deve começar a analisar a matéria em agosto, a tramitação tende a ser mais rápida.”

Fotos: Gilson Camargo

1 Comentário

  1. Yaroslav Pidbrodnyy
    24 de agosto de 2009

    Z SVYATOM UKRAYINS’KOHO PRAPORA I Z DNEM UKRAYINS’KOYI NEZFLEZHNOSTI DOROHI BRATY I SESTRY!
    SCHASTYA, ZDOROV’YA, ZLAHODY, DOSTATKU, LYUDS’KOYI LYUBOVI I POVAHY TA PROCVITANNYA VAM I NAM!

    UKRAYINS’KA KRASA VRYATUYE SVIT!

    REDATOR HAZETY “UKRAYINA”
    MYXAYLO RYBAK

    P.S. DVERI HAZETY “UKRAYINA” CILODOBOVO VIDKRYTI – DLYA USIX UKRAYINCIV, UKRAYINOK, BRAZYLIYCIV, BRAZULIYOK I USIX, USIX, USIX!!!
    USIX MY PRYHOSHCHAYEMO KALYNOVYN NAPYTKOM I UKRAYINS’KYMY SOLODOSHSHAMY!!!
    ZAXOD’TE, SMILYVIIE.

One Trackback

  1. […] universidade da integração latino americana – unila – seminário na ufpr – 24/06/09 Por vanhoni 1 Comment Categorias: Discursos e conferências e Uncategorized Tags: cultura, dr rosinha, educação, foz do iguacu, helgio trindade, integracao, mercosul, parana, samek, ufpr, unila, zali akel O conteúdo deste post encontra-se em http://www.vanhoni.com.br/2009/06/universidade-da-integracao-latino-americana-%E2%80%93-unila-%E2%80… […]

Publicar um comentário

Seu e-mail nunca será publicado. Campos com * são obrigatórios

*
*

Preencha os campos corretamente!