museu da cerâmica – preservação do conhecimento e das técnicas de manufatura – campo largo / pr

ceramicariobranco_foto_gilsoncamargo_campolargo_pr10_10_09p
O prefeito de Campo Largo, Edson Basso e o Sr. Alberto Augusto nas instalações da Cerâmica Rio Branco.

A cidade de Campo Largo tem uma tradição de mais de 130 anos. No final do século 19 vieram para cá muitos italianos, poloneses, alemães e portugueses, que ao construirem a cidade partilhando seus conhecimentos, suas práticas culturais e tecnologias, desenvolveram manufaturas de uma qualidade excepcional. O processo industrial da cerãmica está muito presente na formação social da cidade, no número de trabalhadores que se dedicaram a esta atividade, na riqueza produzida ao longo dos anos para a economia local e na importãncia da memória fabril, que se confunde com a memória de inúmeras gerações.

O Museu da Cerâmica é um museu temático que praticamente já está pronto. A fábrica, fundada a mais de 50 anos por Alberto Augusto e sua familia, mantém intactas todas as peças e equipamentos utilizados no processo de fabricação. É um projeto muito importante para a cidade e o governo federal tem um programa que pode apoiar na criação do museu. Nós entraremos em contato com a direção do Instituto Nacional de Museus, em Brasília, encaminhando uma solicitação para que os técnicos do IBRAM venham à Campo Largo e nos orientem nos procedimentos necessários. Vamos começar a discutir com a prefeitura a possibilidade de fazer um acordo entre o governo federal, estadual e municipal para trazer mais este benefício para a cidade na área da cultura: o da preservação da memória, da valorização dos conhecimentos reunidos nesta manufatura tão importante para a sociedade, sobretudo numa cidade que tem toda essa tradição em cerâmica, que é a capital nacional da louça e tem sua produção exportada para diversos paises do mundo.
O Museu da Cerâmica pode resgatar a história da produção da louça no município, além de contribuir no processo educacional dos jovens. Podemos incluir no projeto oficinas permanentes sobre o manuseio com a cerâmica, fazer demonstrações práticas aos turistas, entre outras possibilidades.”
Angelo Vanhoni

sr_alberto_foto_gilsoncamargo_ceramicariobranco_campolargo_pr10_10_09
Alberto Augusto, dedicação ao ofício de ceramista durante 50 anos.

Em dezembro de 1955 começava a funcionar em Campo Largo a Cerâmica Rio Branco, tendo a frente Seu Alberto Augusto, hoje com 89 anos. Fruto de sua experiência anterior no setor cerâmico, ele e seu irmão Albino Augusto, enquanto trabalharam em fábricas como a Cerâmica Aurora, foram planejando o sonho do negócio próprio. O primeiro forno foi construído no período da noite, em que Alberto não estava trabalhando. O segundo forno, utilizado para a queima do esmalte, foi construído em 1956, no primeiro ano de funcionamento da Rio Branco. Cerca de 20 anos mais tarde, esses mesmos fornos foram reconstruídos para ampliação da capacidade.

ceramicariobranco_foto_gilsoncamargo_campolargo_pr10_10_09o
Boca de forno a lenha para queima da argila.

Anos de trabalho, investimento e retorno, não só para a família, mas, para a cidade de Campo Largo, conhecida hoje como um dos principais pólos ceramistas nacionais. Seu Alberto conta que diariamente, nos 40 anos de existência da Cerâmica Rio Branco, eram produzidas de 1800 a 2000 peças. Desde 1998 as máquinas pararam de funcionar e lá Seu Alberto, juntamente com o genro Balduino Vidal, (ex funcionário da fábrica, de 1977 a 1983) guardam e conservam o maquinário antigo, fornos e até amostras de louças fabricadas. O espaço agora integra o projeto para virar o Museu da Cerâmica.

ceramicariobranco_foto_gilsoncamargo_campolargo_pr10_10_09k

Os visitantes percorreram a antiga fábrica conhecendo suas instalações, ouviram a história relatada pelo próprio fundador e ao final firmaram a parceria. Para Balduino Vidal, que foi o responsável, durante a visita, em dar todas as explicações sobre o processo da produção das louças, “fazer o Museu é a forma desta história ficar guardada para sempre na cidade.”

ceramicariobranco_foto_gilsoncamargo_campolargo_pr10_10_09bA Cerâmica Rio Branco produziu durante 44 anos. Fabricava louças e utensílios, além de estatuetas e objetos de devoção para as igrejas da região.

A proxima etapa para a criação do museu  se dará  através de uma visita técnica do IBRAM (Instituto Brasileiro de Museus) para avaliação do local e o início da elaboração do projeto. A articulação junto ao Ibram é compromisso assumido por este mandato que,  com o prefeito Edson Basso, dará início aos trâmites jurídicos da cessão da propriedade para a prefeitura.

ceramicariobranco_foto_gilsoncamargo_campolargo_pr10_10_09eVisão externa da fábrica, fechada desde 1998. Equipamentos intactos e história mantida.

Fotos: Gilson Camargo

6 Comentários

  1. Fábio Carvalho
    29 de dezembro de 2009

    É FUNDAMENTAL que a Cerâmica Rio Branco seja o QUANTO ANTES transformada no Museu da Cerâmica de Campo Largo, uma vez que esta é uma das poucas cerâmicas antigas que ainda tem todas as suas instalações intactas, com maquinário interio, e até mesmo diversas peças em vários estágios produtivos à disposição como acervo de um futuro museu.
    Fábio Carvalho
    Porcelana Brasil
    http://www.porcelanabrasil.com.br

  2. EDNEUSA OLIVEIRA SOUZA
    19 de maio de 2010

    Quero saber se vcs fabricão ceramica, estou percisando de uma ceramica igual com que eu ja tenho.

  3. Antonio Pereira Pinto
    4 de maio de 2011

    Passei a infancia e a juventude ao lado da fábrica onde diariamente se via o incansável Alberto uma das pessoas mais gentis que já tive oportunidade de conhecer. Torço que o museu tenha meios de sobrevivencia com a participação do poder público e apoio da população de Campo Largo que tanto deve a ele e outros pioneiros que a transformaram na capital da louça. À familia Augusto que tambem tinha o padre João da igreja dos passarinhos em Curitiba e fez meu casamento em 1979, um grande abraço.

  4. João Carlos Borges
    15 de janeiro de 2014

    Boa tarde,

    Gostaria de saber como está a questão da Cerâmica Rio Branco, foi aceito o pedido para que seja transformada em museu.

  5. João Carlos Borges
    15 de janeiro de 2014

    Boa tarde,

    Gostaria de saber se a Cerâmica rio Branco foi transformada em museu? Um grande abraço.

  6. Tathyana Zimmermann
    13 de maio de 2014

    O projeto saiu do papel?
    As últimas notícias que consegui encontrar foram todas de 2009, informando sobro o projeto do “futuro” Museu da Cerâmica. Entretanto, não localizei nenhuma informação sobre a abertura do Museu.
    O que realmente é uma pena.
    Afinal, preservar a História é uma das formas de manter a cultura, a unidade e as características de uma região. Não podemos lutar por um futuro melhor se não soubermos de onde viemos e como chegamos até nosso presente.
    Realmente é muito triste perceber que algumas coisas importantes ficam à deriva por falta de interesse político.
    Gostaria de saber como anda esse projeto.
    Grata.

One Trackback

  1. […] museu da cerâmica – preservação do conhecimento e das técnicas de manufatura em campo largo / pr Por vanhoni 1 Comment Categorias: Cidades Tags: campo largo, capital da louça, museu da ceramica, parana O conteúdo deste post encontra-se em http://www.vanhoni.com.br/2009/10/museu-da-ceramica-preservacao-do-conhecimento-e-das-tecnicas-de-ma… […]

Publicar um comentário

Seu e-mail nunca será publicado. Campos com * são obrigatórios

*
*

Preencha os campos corretamente!