conferência municipal de educação – curitiba/pr, 2013

DSC_6025aweb

Curitiba realizou sua Conferência Municipal de Educação nos dias 21 e 22/06, em etapa preparatória à Conae 2014, reunindo cerca de 800 participantes, entre representantes de órgãos, entidades e movimentos ligados à educação, estudantes municipais e seus familiares, além de profissionais do ensino das áreas público e privada. O encontro, promovido pelo Fórum Municipal da Educação aconteceu no Auditório do Colégio Estadual do Paraná.

O deputado federal Angelo Vanhoni esteve presente no segundo dia da Conferência e falou sobre os avanços que o Plano Nacional de Educação trará para o ensino público no país.  

Clique na imagem abaixo e assista a íntegra da entrevista concedida pelo deputado à TVCi.

O Paraná está fazendo 240 Conferências Municipais de Educação correspondendo a um chamamento do Fórum Nacional de Educação instituido por portaria do MEC. Várias entidades que trabalham na área, entidades da sociedade civil, as secretarias municipais e estaduais de educação e as universidades estão envolvidas neste processo. Até o final do segundo semestre sera realizada uma Conferência Estadual e no começo do ano que vem uma Conferência Nacional com os delegados de todo o Brasil.

O Plano Nacional de Educação é composto de 20 metas que desde a educação infantil, de 0 a 3 anos, qual o compromisso do Brasil nos próximos 10 anos para com as crianças nesta fase da vida, atá a formação de doutores em todo o território nacional. São dois eixos que perpassam estas 20 metas. Primeiro, a inclusão das crianças. Trazer as crianças que estão fora do sistema educacional brasileiro, como as da creche de 0 a 3 anos, as do ensino médio, onde há grande evasão. Mais de 60% dos jovens de 14 a 17 anos não terminam o ensino médio no Brasil. Os universitários, no âmbito do ensino superior nós temos um problema gravíssimo. Apenas 12% dos estudantes brasileiros em idade escolar estão frequentando alguma universidade. Isto é muito pouco. Na Argentina são 36%, nos países desenvolvidos a média e de 50% a 60% dos jovens se formando numa universidade, se preparando numa qualifcação em nível superior.

Além do eixo de inclusão o outro eixo que perpassa as 20 metas é a qualidade. Neste sentido nos temos um conjunto de metas que estão sendo discutidas nas Conferências Municipais tais como a educação integral. Na Europa e nos países desenvolvidos as crianças entram na escola às 7h30 da manha e o pai ou a mãe vai buscar ãs 5h30 da tarde. A rede escolar municipal tem um tempo necessario para programar a tramissão de conteúdos de matemática, portugues, história, educação artística, de educacão física com muita tranquilidade. O professor tem a possibilidade de se dedicar àquele aluno que tem dificuldade para igualar o nível de aprendizagem entre todos os alunos da sala. Por isso o padrão educacional destes países é muito diferente do padrão educacional brasileiro.

Além da questão do ensino integral, que está prevista no Plano Nacional de Educação, nós estamos discutindo a valorização do magistério. Não há como mudarmos o padrão educacional brasileiro para as próximas gerações se os Estados. Municípios e União não tratar da valorização do magisteiro. Isto é, pensar em plano de carreira, em plano de cargos e salários em todo o território nacional, pensar no financiamento da valorizacão do magistério. Tem 1 % do PIB, na proposta que nós aprovamos, que ao longo destes 10 anos deverá ser canalizado para valorizar o magistério em todo o território nacional.

O Plano Nacional de Educação trata disso. Trata do futuro do Brasil, porque é com o conhecimento, com a inovação, a ciência e a tecnologia que nós vamos dar uma resposta para os desafios do nosso tempo e do nosso país.

Angelo Vanhoni

DSC_6064aweb
Busto em bronze do poeta e escritor Dario Vellozo em frente ao Colégio Estadual do Paraná. Escultura de João Turin.

Publicar um comentário

Seu e-mail nunca será publicado. Campos com * são obrigatórios

*
*

Preencha os campos corretamente!